ENTREVISTA: Inteligência artificial humanizada é uma aposta para escalar o atendimento, diz Leandro Neves

leandro-neves-weni

Como explicar a urgência de uma inteligência artificial humanizada em tempos que a tecnologia se reinventa a cada minuto? O isolamento social fez da transformação digital um processo mandatório nas relações de trabalho, mas as organizações precisam estar atentas à forma que se comunicam com as pessoas.

Nós batemos um papo com Leandro Neves, CEO da Weni, sobre como a inteligência artificial utilizada nas empresas pode ser um recurso poderoso para uma comunicação mais empática. Todos nós na Weni acreditamos que escalar o atendimento digital vai muito além de usar a tecnologia como um complemento. Mas muuuito além mesmo!

Confira! 🙂

Fala, CEO!


O que é para você uma inteligência artificial humanizada?

Leandro Neves: O diferencial mais buscado no mercado não é somente uma tecnologia de inteligência artificial robusta e eficiente. Quando bato no pé da inteligência artificial humanizada é porque penso no propósito de ter uma essência nos valores humanos que transmitimos através dela. Mesmo com o uso de automações, o pós-pandemia vai exigir uma relação mais empática entre as pessoas e não será diferente na tecnologia usada nas organizações para se relacionar com a sociedade.

O isolamento social provocou a adoção da robotização no atendimento digital. Como você vê isso?

Leandro Neves: Nós acreditamos que as organizações podem e devem modernizar e automatizar os canais de comunicação. Mas elas também precisam escalar o atendimento sem deixar de humanizá-lo. Existem soluções no mercado que falam puramente sobre automações, inteligência e não tentam mostrar que o robô, com ou sem o recurso da Inteligência Artificial, é a melhor forma de atender.

A Inteligência Artificial com as automações deve ser usada para escalar a comunicação humanizada. Eu penso nela como uma oportunidade que deve ser aproveitada. Assistentes inteligentes podem a elevar a satisfação dos seus consumidores de forma humanizada e não robotizada a partir de intenções que podem ser identificadas e aplicadas nos bots.

É possível conciliar a humanização com a tecnologia?

Leandro Neves: A Weni tem uma forte base no impacto social. A questão da humanização está na rotina de todos os times que desenvolvem e promovem a nossa solução. Temos clientes e projetos que se preocupam com a humanização nas relações, como o Unicef Brasil com o chatbot do Pode Falar e o Ton, da Stone.

É indispensável que as empresas apostem na Inteligência Artificial humanizada para escalar o atendimento digital, tornando ela mais aberta e receptiva.


Gostou da entrevista? Então conheça mais os cases da Weni com chatbots humanizados aqui! 🙂

0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.